José Trajano

José Trajano - ultrajano

Sejam bem-vindos ao Ultrajano!

Aqui tratamos preferencialmente de esportes, política, cultura geral e direitos humanos.

Somos uma plataforma de artigos de colunistas, reportagens, entrevistas, bate-papos, compartilhamento de notícia, dicas e principalmente programação ao vivo.

Tudo sob o comando de José Trajano, um dos mais respeitados jornalistas do Brasil.



Acompanhe:

A festa do prefeito

Postado por Priscila Gontijo em 18/out/2017

Doria comendo com Tony Blair

Distraídos demais, hipotéticos e deslumbrados.

A perversão que consome, mata, a ilha.

Na área externa, um buffet de comidinhas alegrava os mais famintos e entre as opções estava o mil folhas de cogumelos selvagens, arroz rústico de pato e batata palha, salmão em crosta de pistache ao jus de laranjinhas kinkan e escalope de mignon com aspargos grelhados. De entrada, cestinhas crocantes de aspargos, pastéis de queijo com limão siciliano, spring rolls de cogumelos com amendoim e coco e mini ouriço de queijo ementhal com pistache. Tudo regado a Champagne, drinks feitos com gin e muito uísque.

Tudo regado do lado de dentro.

Do lado de fora dezenas, centenas, uma dúzia de cães farejadores, um punk, a mulher grávida, a idosa desordem social.

Dentro, comidinhas, avental.

Do lado de fora a orgia de buzinas, metrô lotado, ônibus enguiçado, um tráfego de míseros mortais.

Por voltas das onze horas da noite, Bia conseguiu um lugar na disputada bancada de comida japonesa e, entre um sashimi de salmão e outro, se encantou com o sushi de vieira trufada.

O sushi de vieira trufada exclamou notícias do lado de lá, algo sobre as organizações mundiais, o sushi iconoclasta fez um estrago em sua boca trufada, essa boca de Bia, esse arremedo, esse seu quinhão, estrago de desordem mundial em seu vestido de sashimi, disputada bancada de fartos decote.

Lá fora, os miseráveis, os estoques, a moela ardendo.

Lá, fora. Orlais.

A dez passos do queijo ementhal com pistache, um tiro.

A 2 quarteirões do mil folhas de cogumelos selvagens, um abandono.

A quinze quilômetros do arroz rústico de pato, a grande fome.

Devastação.

Na cidade cinza tão indiferente ao lado de fora.

Carimbadas as mãos das crianças para não repetir a merenda.

Carimbada a mão da infância com fome.

Carimbados cidadãos, obedientes, revestidos por plásticos bolhas.

E nesse momento, do lado de dentro, debaixo da marquise revestida de rubi, vermelho sangue, os aplausos entusiasmados para o anúncio do programa Alimento para Todos.

No vídeo, assistimos o prefeito lançar o programa de distribuição de alimentos reprocessados para pobres, a chamada “ração humana”.

Do decote de Bia, plange solitária uma baba bovina incandescente.

Incêndio em seu peito ornado de lantejoulas.

Ovação fulminante. E o grito de um homem ecoa na multidão:

– Bravo!

(Visited 2.363 times, 5 visits today)